ATRÁS DA DIVISÓRIA DO MESTRE – SE A GRANA É A RAIZ DE TODO MAL... ME DÊ MAIS!


Entre 2002 e 2005, Jason Nelson, um famoso game designer que trabalhou com a Wizards of the Coast e com a Paizo em jogos como D&D e Pathfinder, escreveu uma coluna chamada Behind the Screen, publicada gratuitamente na página da empresa, que traduzimos como Atrás da Divisória do Mestre e trazemos aqui nos Meus Pergaminhos para vocês. Esperamos que gostem!



Divisória do Mestre - Redbox



ATRÁS DA DIVISÓRIA DO MESTRE – SE A GRANA É A RAIZ DE TODO MAL... ME DÊ MAIS!



Texto original de Jason Nelson publicado no site da Wizards of the Coast em 27/10/2002.

Um jogo de D&D pode abranger uma ampla variedade de estilos, mas uma das constantes inevitáveis é que, em algum momento, os aventureiros se encontrarão na posse de algum saque e precisarão decidir quem recebe o quê. Os tipos de distribuição de tesouros variam bastante de mesa para mesa, desde lançamentos aleatórios até planilhas, com o objetivo de garantir que todos tenham sua parte de forma equilibrada até a última peça de cobre. A maioria dos grupos de jogos tem um estilo preferido, mas quando os membros do grupo mudam ou quando os membros mudam de um grupo para outro, eles podem entrar em conflito com suas noções preconcebidas de como o tesouro deve ser dividido. A divisão do tesouro pode ter um impacto significativo no equilíbrio de poder entre os membros do grupo e pode causar ressentimentos se existir a percepção (justificada ou não) de injustiça. Se seu personagem é um asceta altruísta ou um ganancioso mesquinho, descobrir como dividir as coisas de maneira justa é essencial em uma campanha bem-sucedida.

Por que a divisão de tesouros é tão importante? Em um jogo como o D&D, uma parte do que um personagem é e pode fazer é definido por suas posses, o que pode complementar ou amplificar as habilidades de personagem existentes (por exemplo, armas mágicas para acertar criaturas resistentes ou imunes, uma armadura pesada que aumente a CA ou uma poção que permite ao grupo um fôlego extra ou levantar alguém caído) ou pode conceder capacidades totalmente novas, sejam ofensivas, defensivas, relacionadas a movimentos ou qualquer outra coisa (Nota do Tradutor: ainda que a 5ª edição tenha diminuído drasticamente a necessidade de itens mágicos para evolução dos personagens, o que é bastante positivo). Mesmo para aqueles que não buscam reforçar seu poder pessoal, dinheiro e magia são a moeda literal e figurativa do reino na acumulação de poder político e econômico no mundo dos jogos, no apoio e assistência aos PNJs (PdMs) aliados ou em qualquer outra coisa que o personagem gostaria de fazer. Dependendo das regras opcionais usadas em sua campanha, os personagens podem precisar economizar dinheiro e / ou itens para pagar por treinamento (ou qualquer outra atividade no período de “downtime”). Um personagem que está sendo enganado na distribuição de tesouros pode se sentir frustrado ou deixado para trás enquanto o resto do grupo avança.


Tomando a importância da divisão do tesouro como um dado, o grupo precisa responder a várias perguntas básicas, e precisa pensar sobre elas antes de partir para a aventura, para evitar sentimentos negativos, mudanças retroativas na divisão do tesouro ou qualquer coisa desse tipo. A primeira pergunta é com que frequência o grupo irá parar para dividir o tesouro. Obviamente, isso é apenas um problema durante as aventuras em que os PJs encontram tesouros. Pode haver sessões em que o grupo termina de bolsos vazios. Mais frequentemente, no entanto, o grupo se depara com pelo menos uma quantidade de saque, e eles devem decidir quando dividi-lo. Talvez eles queiram fazê-lo imediatamente após o término do encontro. Ou talvez eles desejem dividi-lo no final da sessão do jogo. Independentemente do que os personagens possam estar fazendo naquele momento, os jogadores podem querer dividir as coisas naquele momento, enquanto a memória da sessão é recente, para garantir que o tesouro não seja perdido em cantos obscuros do bloco de notas de alguém. Talvez eles só dividam o tesouro quando retornarem à sua base, seja lá o que for (sua estalagem favorita, o castelo do seu senhor, uma aconchegante vila agrícola). Qualquer que seja a sua escolha, eles devem tentar encontrar um sistema padrão e segui-lo.

Quando chegar a hora de dividir o lucro, o grupo deve ter algum sistema para determinar o quanto cada personagem receberá. O padrão é um compartilhamento por personagem, mas você também pode atribuir compartilhamentos por nível de personagem (na presunção de que haja desnível entre os personagens e que os personagens de nível superior tenham maiores despesas e, presumivelmente, carregaram mais o grupo durante a aventura). Este último método, no entanto, corre o risco de levar a um abismo cada vez maior entre as ações dos personagens de nível superior e inferior. O Player’s Handbook da 1ª Edição sugere a possibilidade de reservar um compartilhamento extra a ser dado a um personagem (determinado pelo voto do grupo) que prestou um serviço particularmente valioso durante aquela sessão ou aventura. (Acredito que algo assim esteja incluído no jogo Hackmaster da KenzerCo). Alguns grupos reservam uma parte do tesouro para depositar em um fundo do grupo para pagar pergaminhos ou poções de cura, pagar a ressurreição de personagens mortos (ou outros efeitos restauradores), comprar montarias, pagar taxas e impostos e outros tipos de gastos gerais. Aliados e outros seguidores geralmente recebem um pouco menos, cerca da metade do valor de um PJ, mas alguns grupos podem exigir que o tesouro de um seguidor seja pago por seu "empregador" e que a lida com quaisquer outros tipos de PNJ (PdMs) é simplesmente julgada caso a caso.



Esses dois pontos iniciais pressupõem outro ponto importante, que é como lidar com a parte de um personagem que perde parte de uma aventura. Isso se aplica mais comumente quando um personagem é morto ou incapacitado durante uma aventura, mas também pode ser aplicado se uma divisão de tesouro for baseada no total agregado de várias sessões de jogo. Nesse caso, como você decide a parte de um personagem que estava lá apenas parte do tempo? Se eles estavam lá por 1 em 3 sessões, eles recebem 1/3 do tesouro normal? E se eles tiverem sorte e conseguirem o melhor item mágico do caminho, derrotando as pessoas que estiveram nas três sessões - isso deveria ser permitido? Eles conseguem apenas os itens que foram encontrados enquanto estavam presentes? Se o seu grupo de jogadores não tem uma participação perfeita (e nenhum jogo que eu já joguei como jogador ou DM por mais de algumas sessões consecutivas teve), esse ponto passa de um detalhe técnico para um esclarecimento de suma importância de como a campanha funcionará.


Para descobrir a alocação de tesouro por personagem, você também precisa decidir exatamente quanto vale uma "parte". É dinheiro? Magia? Dinheiro ou magia (mas não os dois)? Alguma combinação de dinheiro e magia igual a um valor de gp definido (assumindo que você atribui valores em dinheiro a itens mágicos conforme a raridade, como consta no Dungeon Master's Guide)? Alguns grupos tratam itens mágicos como algo completamente separado do dinheiro (que geralmente inclui jóias, gemas preciosas ou outros objetos de valor, além de moedas). Isto é, todo personagem recebe uma certa parte do dinheiro e, em seguida, os itens mágicos são divididos entre os membros do grupo (ou talvez futuramente vendidos por dinheiro, se ninguém quiser). Obter um item mágico não afeta sua divisão de dinheiro de forma alguma. Outros grupos adotam o rumo oposto: os itens mágicos (ou alguns itens mundanos como itens alquímicos ou uma espada de prata) são simplesmente "dinheiro potencial" e atribuem a cada item seu valor de venda. Nesse caso, sua participação incluiria o valor de PO do tesouro monetário e itens mágicos (se vendidos). Você usa sua parte do tesouro para "comprar" tanto ouro ou magia quanto sua parte permitir. Se todos os itens acabarem na sua vez de escolher, sua parte será toda em ouro. Quaisquer itens que ninguém possa pagar são considerados como algo a ser vendido pelo grupo. De fato, em certo sentido, esse tipo de sistema pressupõe que todos os itens sejam sempre vendidos. É simplesmente uma questão de saber se eles serão "comprados" dentro do grupo ou vendidos para um PNJ interessado. Este sistema tenta equilibrar valor monetário com valor mágico, portanto, um personagem cuja parte é gasta "comprando" um item mágico não receberá dinheiro real do tesouro.

Exemplo: Três personagens encontram um anel mágico de valor estimado em 2.000 po, uma capa mágica de valor estimado de 1.000 po e 3.000 po em moedas. Usando o primeiro sistema (dinheiro e magia são separados), cada personagem receberá 1.000 po em moedas. Eles determinariam uma ordem de seleção (veja abaixo) onde um personagem receberia o anel, outro receberia a capa e o terceiro nada receberia além de suas moedas. No segundo sistema, um personagem terminaria com o anel e sem dinheiro, outro o manto e 1.000 PO, e o terceiro sem itens, mas com 2.000 po.



O segundo sistema parece ser mais justo, mas posso dizer após uma longa experiência longa com um grupo que o usou que pode acabar sendo um pesadelo contábil quando sua divisão de tesouros é mais complicada do que a do exemplo, especialmente quando o valor em itens mágicos é maior que o valor monetário (o que significa que aqueles que não recebem itens ou o que recebe um item de “qualidade inferior” não terão uma divisão uniforme, exigindo que eles assumam uma espécie de "dívida forçada", devida pelo(s) personagem(s) que obtiveram as melhores coisas). Isso também pode criar um tipo de problema de "homogeneização forçada", pois tudo se resume a “UMUGs” (unidades monetárias universais genéricas), como meus jogadores começaram a chamá-los. Isso é ótimo se você estiver executando uma campanha padrão em que todas as moedas são baseadas no valor do metal, mas fica muito complicado se você usar moedas nacionais ou regionais, onde importa se as moedas são da Waterdeep, da Zhentil Keep ou da antiga Netheril. Da mesma forma, este sistema pressupõe que os itens possam ser liquidados automaticamente pelo valor normal total a qualquer momento, sem pechinchar ou ter que encontrar por um comprador para pedras preciosas, joias, itens mágicos ou objetos de arte: no final tudo é apenas referente a um valor monetário exato. Isso facilita a contabilidade, mas pode enfraquecer a experiência de interpretação e a credibilidade do mundo. Isso também não se encaixa com as regras contidas no Xanathar’s Guide to Everything para a compra e venda de itens mágicos durante os “downtime” (intervalos entre aventuras).

Este é um dos muitos lugares em que os sentimentos e a conveniência dos jogadores podem ter que ser pesados ​​contra as ações imaginadas de seus personagens, e cada grupo precisará decidir por si mesmo até que ponto está disposto a ir nessa linha. Suas gemas têm tipo e cor, ou são apenas seis gemas de 500 po (valendo precisamente 500 po em todos os mercados, de Nyrond a Netheril)? Esse mesmo ponto foi discutido em uma coluna na página da Wizards em termos de interpretação das despesas diárias ou de permitir que os jogadores usem a sugestão de despesas diárias contida na página 157 do Livro do Jogador, e isso realmente depende do que seus jogadores gostam de fazer. Se eles estão dispostos a dedicar tempo e esforço para acompanhar tudo, isso pode ser um ótimo complemento para a profundidade e detalhamento da campanha. Se não estiverem, você ficará entediado e você perderá um precioso tempo de jogo “contando feijões”.




Os quatro pontos acima lidam quando você divide o tesouro, quem recebe uma parte, se eles recebem uma parte completa, se não estiveram lá o tempo todo, e o valor de cada parte. Agora podemos lidar com a verdadeira armadilha de toda essa situação: como decidir quem recebe o quê? O método clássico é rolar aleatoriamente. Você, como o Mestre, rola de uma lista de personagens ou cada jogador rola e cada jogador escolhe começando do resultado mais alto para o mais baixo. O Player’s Handbook da 1ª Edição de D&D sugeria que você permitisse que os personagens rolassem uma vez para cada nível de experiência e mantivesse a melhor rolagem, e eu já vi grupos que permitem que os personagens adicionem seu bônus de Carisma à rolagem (uma maneira de tentar tornar o Carisma mais útil, presumindo que você convenceria / enganaria seus camaradas para ficar com as melhores coisas, o que eu suponho que faça pelo menos um pouquinho de sentido. Nota do Tradutor: se for para usar isso, que se valorize a capacidade de analisar o valor dos tesouros rapidamente no momento da troca e usando Inteligência neste caso, assim diminuindo o efeito deste ser o PIOR ATRIUBUTO DA 5ª EDIÇÃO, como você pode ler AQUI). Mesmo assim, você vai do mais alto para o mais baixo e volta ao topo da lista novamente ou vai do mais alto para o mais baixo e depois inverte a ordem (do mais baixo para o mais alto) para a segunda rodada de escolhas?

Se você não gostar da ideia da aleatoriedade nas escolhas, você pode fazer com que o grupo represente e interprete toda a divisão do tesouro e tentar encontrar o melhor ajuste para cada item do grupo. Alguns itens são obviamente mais adequados para certos personagens, mas infelizmente muitos itens são igualmente desejáveis ​​e úteis para qualquer tipo de personagem. Embora esta opção seja potencialmente muito satisfatória e apropriada ao jogo e ao gênero, esse sistema se decompõe com muita facilidade, a menos que seus jogadores se conheçam e confiem uns nos outros. Mesmo que você não use isso como modelo básico para distribuir os itens, o grupo pode resolver atribuir certas restrições ou regras sobre a divisão de tesouros - uma espécie de contrato entre as partes. Por exemplo, em níveis baixos (quando os itens mágicos são muito raros), o grupo pode concordar que um personagem que já possui um item mágico (um item permanente, já que é possível que itens de uso único não seriam contados para esse fim) não pode escolher outro se houver outros membros do grupo que não possuam algum item, a menos que, é claro, nenhum dos outros queira esse item em particular. Se o personagem quiser o novo item mais do que o antigo, ele ou ela deve colocar o item antigo de volta entre as posses comuns do grupo para poder obter o novo item.





Outro método é vender os itens em um leilão interno, com itens que vão para o maior lance dentro do gripo. A oferta vencedora é então distribuída entre os outros membros (incluindo a divisão de quaisquer itens mágicos oferecidos nessa oferta). Se você estiver dividindo o tesouro adquirido em uma longa série de sessões, poderá alocar escolhas baseadas na quantidade de XP de cada personagem caso que você não dê XP àqueles personagens não presentes em todas as sessões. Esse sistema é menos adequado para a edição atual de D&D do que já foi em edições mais antigas, no entanto, dado que se espera que o grupo esteja no mesmo nível e é possível que o grupo esteja usando regras opcionais presentes no Dungeon Master’s Guide que não usam XP para que os personagens subam de nível.

Por fim, o grupo deve decidir o que fazer com itens que ninguém quer, ou itens que talvez alguém queira ou ache úteis, mas que não necessariamente desejam gastar uma parte de seu tesouro para adquirir. Às vezes, esse item pode ser útil apenas em raras circunstâncias, mas pode ser muito útil se essas raras circunstâncias surgirem; portanto, o grupo pode guardá-lo para um dia de chuva ou talvez o item seja uma arma mágica e uma habilidade especial interessante, mas não um tipo que qualquer um dos personagens possa ou usaria regularmente. Com mais frequência, esses itens podem ser muito úteis para o grupo (por exemplo, uma varinha de cura, um item que abra portas ou qualquer tipo de pergaminho), mas não são realmente tão úteis para a pessoa que compraria o item. O grupo deve decidir se está disposto a separar esses itens da pilha de tesouros, não para vendê-los ou forçar alguém a pegá-los, mas para mantê-los como "itens do grupo" a serem usados ​​para o bem geral de quem possa precisar deles.






Assim como na vida real, muitas vezes são os problemas que “doem no bolso" que realmente chegam ao cerne de uma pessoa estar satisfeita com o andamento das coisas. A divisão de tesouros é necessariamente uma questão do jogador em primeiro lugar, e seu trabalho como Mestre deve ser o de fazer sugestões e ajudar a resolver disputas, mas não para ditar o que vai pra quem. Você tem controle suficiente sobre o tesouro, pois é você quem seleciona o que (ou pelo menos pode selecionar) ser encontrado, quando e onde (e você deveria pelo menos tentar semear alguns itens de interesse para os personagens da campanha). No entanto, ser invasivo e decidir para onde vai o que invade os limites do grupo e deve ser evitado. Ao mesmo tempo, você geralmente acabará sendo o principal “contador” quando se trata de divisão de tesouros (especialmente se um dos sistemas mais complicados for adotado): você deve decidir quanto trabalho extra deseja ter e certamente deve ser informado sobre o sistema a ser adotado, na medida em que isso afeta suas responsabilidades. De qualquer forma, lembre-se de que o tesouro em D&D é uma recompensa por um trabalho bem feito: a batalha deve terminar quando o tesouro estiver dividido e não causar uma nova batalha! Com um pouco de reflexão e algum esforço compartilhado por você e pelos jogadores, você pode fazer as coisas funcionarem.






PALAVRAS DE SABEDORIA

1. Quantas vezes você deve dividir o tesouro? Seja sempre que algo é encontrado, uma vez por sessão, uma vez por aventura (um arco de várias sessões) ou o que for, um cronograma regular é menos importante que a forma combinada.

2. Quais personagens recebem cada parte do tesouro? Quotas iguais para todos? Divide por nível? Bônus por mérito por contribuições excepcionais? Seguidores recebem uma parte igual ou metade do que cada personagem recebe (ou nada recebem)? E os personagens presentes apenas em parte de uma missão?

3. Dinheiro e magia são tratados separadamente? Se tratado separadamente, pode levar a uma distribuição muito desequilibrada do tesouro. Se tratado como parte de um mesmo conjunto, você pode acabar com um pesadelo contábil e itens úteis / desejáveis podem acabar sendo vendidos para garantir a igualdade.

4. Como você decide quem recebe um item? A questão final, seja por voto, rolagem aleatória, leilão ou qualquer outro método. Quem escolhe em que ordem? As divisões de tesouros anteriores afetam as presentes? Existe um mecanismo de reparação para personagens que estão bem atrás de outros personagens em termos de dinheiro e / ou magia?

5. Como você considerará casos especiais? Alguns itens pertinentes a determinadas classes são relativamente mais caros do que os de outras classes. Outros itens são benéficos para o grupo como um todo, mas não para o indivíduo que o possui ou o utiliza. Outros podem ser de uso limitado, mas podem ser extremamente importantes em situações particulares. Algum tesouro será reservado em um fundo de contingência? Que subsídios (se houver) o grupo deve dar para tesouro que não sejam de propriedade particular?






FINALIZANDO A TRADUÇÃO


Essa coluna traz pontos importantes sobre os métodos de divisão de tesouro. Ficamos aqui então com duas sugestões: A primeira é que isso seja decidido na Sessão Zero. Para ler sobre essa Sessão Zero, clique AQUI. A segunda é que o DM tenha uma boa noção de como vai encarar a questão de itens mágicos em sua campanha, desde sua raridade até a forma como será possível vender. Sugerimos o uso das atividades entre campanhas do Xanathar’s, bem como o método de saber identificar e de criar “lojas de itens mágicos” de forma “aleatória” em sua campanha que postamos AQUI.  Por fim, se você está em dúvida sobre a quantidade de tesouro que seria “justo” para um grupo em termos da 5ª edição, achando que isso é tudo muito teórico mas pouco prático, e não deseja fazer tudo “no olho”, apresentamos uma tabela de tesouro médio por nível, o que torna possível estimar o tesouro médio e, portanto, saber quando colocar aquele item mágico no tesouro pelo cálculo de seu valor em peças de ouro e, assim, estimar melhor a divisão de tesouro para cada personagem do grupo, se seu estilo de campanha for de dar recursos ao grupo de uma forma controlada e planejada. Você pode ler sobre essa divisão e sobre a tabela AQUI.


Gostou da Coluna? Quer ver o mais de Atrás da Divisória do Mestre? Comente, compartilhe! Faça com que saibamos que você gostou desta tradução!

Bons jogos.


Postar um comentário

0 Comentários