PATRONOS: FAÉRIA - AS ARQUIFADAS E AS CORTES


FAÉRIA - AS ARQUIFADAS E AS CORTES



Faye olhou uma última vez para o mundo que nascera, enquanto muitos de seus amigos e parentes passavam pelo portal, sob os olhos atentos de uma fada guardiã. Ela respirou fundo e pensou em todos os momentos que viveram ali. Ela foi criada sob o clima da guerra, que já durava tanto tempo. Mas nos últimos anos... Tudo ficara tão terrível. Ficara pior. A escala da guerra cresceu, os altos magos já não tinham limites. Cada lado acusava o outro de ter violado um código de honra, realizado um crime de guerra... E as mortes aumentavam exponencialmente, não só entre elfos, mas toda criatura qu habitava o continente. Não havia mais um lado inocente. Os inocentes estavam todos mortos.
Então Faye também passou pelo portal carregando poucas coisas consigo. Faéria poderia ser um novo lar para todos eles. Um lugar onde pudessem viver em paz, finalmente.






No início dos tempos, quando o Multiverso era jovem, Faéria era apenas um demiplano, assim como o demiplano das Sombras (também chamado de Umbra ou Sombral), encrustada no plano Etéreo. Há alguns milhares de anos, quando a guerra entre os elfos e seus deuses afetou diversos dos mundos materiais, muitos elfos e tantas fadas fugiram para Faéira buscando escapar do Caos. Nessa época, a maioria dos portais entre os Mundos Materiais e Faéria deixaram de existir. Durante grandes eventos que mudaram a história recente dos planos, Faéria cresceu, deixando de ser um demiplano ligado ao plano Etéreo e se tornando um plano por si só. O mesmo ocorreu com Sombral. A configuração do Multiverso foi profundamente alterada e o contato entre o Mundo Material e esses dois novos planos foi renovado. Pro bem e pro mal, pra ordem e pro caos...

Os elfos "aprisionados" em Faéria, adotaram o nome de alguns seres de luz que lá habitavam, se chamando de eladrins. E os eladrins, aos poucos, foram voltando a ter contato com seus antigos parentes e tendo notícias sobre o que se deu na guerra élifca.

Faéria é um mundo de cortes. Apesar de duas delas serem as mais conhecidas, o número de cortes ao total é desconhecido. As principais cortes são: A Corte do Verão, A Corte das Sombras, A Corte Selvagem, A Corte do Inverno, A Corte Crepuscular, A Corte da Noite Eterna, A Corte dos Corais e A Corte das Estrelas.




 AS CORTES


A grande maioria das fadas que habitam Faéria juram lealdade a uma ou mais cortes. Essas cortes são governadas por fadas nobres muito poderosas, conhecidas como Arquifadas. Nem toda Arquifada é governante de uma corte, mas toda corte é governada por uma ou mais Arquifadas. Os territórios das cortes não são claros e, muitas vezes, sequer fixos. Há uma série de complicações e tratados envolvendo essas questões e, quando há a necessidade de se redefinir algo, enviados de cada uma das cortes, inclusive inimigos eternos, se encontram em algum local neutro, em geral, mas não sempre, sobre a supervisão da governante da Corte das Estrelas. Estas reuniões muitas vezes acabam não sendo muito práticas e por vezes apenas servem como palco para tramas políticas, espionagens, alianças e traições. E também, eventualmente, para romances inesperados.


A Corte do Verão


A Corte do Verão, também conhecida como Corte da Luz ou Corte Seelie, é possivelmente a mais conhecida entre as cortes. Ela é governada pela Rainha do Verão, a Rainha Titânia, e por seu Consorte Oberon, o Senhor Verdejante. Apesar de sua reputação de luz e apesar de tantas canções e lendas sobre a Corte do Verão, ela possui um lado pouco conhecido. Em sua corte apenas nobres são aceitos e vistos como iguais, e os nobres devem ser fadas puras, com linhagens facilmente identificadas através dos séculos. A Corte do Verão, por vezes, pode ser acessada pelo plano de Arbórea.





A Corte das Sombras


A Corte das Sombras, também conhecida como Corte Unseelie, é a segunda corte mais conhecida. Ela é governada por uma rainha cujo nome foi esquecido através dos tempos e só é conhecida como A Rainha do Ar e das Trevas. Em sua corte ela abriga aqueles que odeiam a Corte do Verão, assim como os que odeiam os Seldarine (os deuses élficos) e os que não foram aceitos nesta corte por não serem nobres ou puros o suficiente. A Corte das Sombras existe ao mesmo tempo em Faéria e em Flegetonte, no Pandemônio, onde fica o "Trono do Dragão das Sombras", todo feito de uma única ônix negra, e de onde a rainha governa.


A Corte Selvagem


A Corte Selvagem é uma terra sem cidades ou vilas, onde fadas ligadas as forças da natureza e algumas bestas, plantas sencientes e até mesmo uns poucos mortais vivem sob as leis de Oberon, o Senhor Verdejante. Devido a Oberon transitar entre a Corte Selvagem e a Corte do Verão, essas cortes possuem bastante afinidade.





A Corte do Inverno


A Corte do Inverno já teve relações diplomáticas relativamente saudáveis com as demais cortes, mas quando um exército de formorians atacou a corte e destruiu suas defesas, matando a Rainha do Inverno, tudo mudou. A Corte do Verão tentou enviar reforços, mas estes chegaram tarde. Desde então, o Príncipe do Gelo, antigo esposo da Rainha do Inverno e agora apenas um nobre de temperamento frio e cruel, mantém sua corte em quase isolamento no Vale da Longa Noite e habita de forma quase solitária a Fortaleza das Lágrimas Congeladas.

 


A Corte Crepuscular


A Corte Crepuscular é uma corte enigmática, governada pelo Príncipe dos Corações, uma arquifada nobre com uma apaixonada devoção pela deusa élifca Sehanine Moonbow. Dado a essa circunstância, mortais devotos da deusa muitas vezes encontram abrigo nas terras da Corte Crepuscular.


A Corte da Noite Eterna


Não é bem certo sobre o que seria essa corte, que habita algumas terras da Corte do Inverno. Apenas súditos especialmente leais ao Príncipe do Gelo e a sua filha, A Bruxa Invernal, habitam essa corte.






A Corte dos Corais


A Corte dos Corais é governada pelos irmãos gêmeos, os Senhores Alastai: Elias e Siobahn. A Corte dos Corais fica nas grandes porções de água de Faéria e uma grande parte das fadas aquáticas se aliam a essa corte. Os Senhores Alastai são joviais e alegras, porém seu humor pode rapidamente ir para a mais completa fúria, fazendo com que inundações e maremotos possam ocorrer por um simples capricho. Às vezes algum pescador ou marinheiro mortal acaba caindo nas graças dos nobres da Corte dos Corais e convidado a residir em suas terras, sem que eles irritem de alguma forma seus governantes.


A Corte das Estrelas


A Corte das Estrelas é a casa das mais apaixonadas fadas, e ela transita entre os campos de Faéria e os três andares de Arbórea, como uma folha de outono boiando em um lago de águas calmas e cristalinas. A única forma de acessar esta corte é se A Rainha Morwel assim desejar. Nenhum poder, magia, ou habilidade - mortal ou divina - é capaz de permitir a entrada em sua corte sem que ela assim o deseje. Há relatos, não comprovados, que a famosa Fonte da Beleza Eterna se encontra nas terras da Corte das Estrelas, mas mesmo um viajante que entre na Corte não saberia nela chegar sem que a própria Rainha assim quisesse. A Corte é uma eterna noite de outono e, por isso, ela àz vezes é chamada de Corte Outonal, o que faz com que se especule se há uma Corte Primaveril. Nada envelhece na Corte das Estrelas, onde o tempo não passa. A Rainha Morwel, seu Consorte Faerinaal e sua Consorte Gwynharwyf tem uma preocupação genuína com o bem dos habitantes locais e tratam seus convidados com requinte e luxo.  Viajantes mortais que tem a sorte de um dia pisar na Corte das Estrelas chama o lugar de "O Paraíso dos Bardos".





AS ARQUIFADAS


As arquifadas são seres tão poderosos quanto uma divindade, pertencentes a uma casa nobre entre as fadas e que, normalmente, ocupam uma posição de poder em Faéria. Algumas arquifadas forma, em algum momento, um espírito da natureza, ou alguma força elemental, que há incontáveis gerações chegou ao Agreste das Fadas, tendo há muito transcendido  o limite da mortalidade. Segue uma lista das Arquifadas  mais conhecidas pelos mortais e um pouco de sua personalidade:




Gêmeos Alastai: Elias e Siobahn


Elias e sua irmã Siobahn são os governantes da Corte do Coral, também conhecida como Corte dos Mares. Os irmãos Alastai tem pouca preocupação com o que ocorre fora de sua corte, na maior parte do tempo, e são vistos como arquifadas de poder inigualável. Eles enxergam todas as regiões aquáticas de Faéria como seus domínios e podem ficar bastante furiosos se isso é contestado.

Essas arquifadas às vezes interagem com o que ocorre fora de Faéria, mas quase sempre isso se limita a regiões de grandes lagos ou mares, onde existam reinos feéricos ou élficos. A maior parte dos bruxos com quem fazem pactos são elfos aquáticos, tritãos, genasis da água e uns poucos seres de outras raças com forte ligação com o mar ou com as águas - uma relação de respeito e adoração - como pescadores ou marinheiros.




Baba Yaga

Baba Yaga habita sua cabana com pernas de pássaros numa  região pantanosa de Faéria conhecida como O Vale Obscuro, um pântano fétido e retorcido onde habitam treants sádicos, bruxas e outras criaturas malignas ou insanas. Sua forma real é desconhecida, mas normalmente ela aparece como uma senhora idosa, baixa, corcunda e muito magra, de pele acinzentada e com o corpo coberto por tatuagens rúnicas. Seu rosto é marcado por um nariz enorme e um queixo proeminente. Seus olhos são negros como a noite mais escura e seus cabelos são brancos como a neve. Ela possui unhas muito compridas em suas mãos, afiadas como uma navalha, e seus dentes são pontiagudos como as presas de um tubarão.

Baba Yaga é conhecida como A Senhora de Todas as Megeras, posição disputada com a megera Cegilune . Algumas vezes Baba Yaga vai até o mundo mortal em busca de algum poder obscuro, um artefato ou uma magia, mas normalmente ela prefere usar seus asseclas, alguma filha com um mortal ou algum bruxo com quem faz pactos de sangue. Seus objetivos em terras mortais podem variar de pequenos jogos políticos a até mesmo, como já ocorreu antes, mudar a estrutura de poder nos Nove Infernos ou no Abismo. Um dos Lordes Abissais alcançou seu status graças às maquinações de Baba Yaga.


Cegilune

Cegilune se considera a rainha de todas as megeras e sua morada tem ligação direta com o Hades, onde as megeras da noite podem chegar até ela. Esta morada é um labirinto de cavernas numa enorme montanha que coexiste em Faéria e em Sombral, onde não se vê o teto e, ao invés disso, se enxerga um céu sem estrelas com apenas uma lua cheia.


As megeras da noite trazem como tributos larvaes e tesouros que ela usa para fins terríveis. Apesar de não ter uma Corte, ela governa suas terras independentes com mão de ferro e não vê problemas em negociar com ínferos e mortos vivos. Cegilune faz pactos com mortais em busca de magia e enxerga esses pactos como uma relação comercial. Ela não acredita em alianças sinceras e exige obediência e submissão de seus bruxos e dos covis de megeras com quem tem mais forte ligação. Rituais de sacrifício sob a lua cheia são realizados por cultistas em seu nome, o que a agrada profundamente. Sua busca é por poder pessoal, de toda forma, pura e simplesmente. 





Damh

Damh é o filho de Oberon e Titânia, e protetor de algumas das fadas mais ligadas aos campos e a música, festas e bebedeira, como os sátiros. Damh sabe que sua mãe sente o dever de proteger todas as fadas e tenta, dessa forma, aliviar um pouco sua carga, tomando para si essa missão de forma bastante comprometida.

Damh ama a dança, a música, as canções, os versos, as festas e as bebidas. Também tem certo interesse nos humanos, o que faz com que interaja com alguns círculos druídicos nos mundos materiais. Ele tem forte ligação com o elemento terra e se considera o primeiro Guardião. Damh busca seguidores entre aqueles com forte ligação com a natureza, mas que também partilhe de seu gosto pela celebração intensa da vida, da música e da natureza. Ele busca firmar pactos também com quem ele possa confiar para suas missões de proteção às fadas, em especial sátiros e dríades.



Faerinaal

Faerinaal tem a aparência de um eladrin belo e gracioso. Ele é o consorte da Rainha Morwel responsável pelas defesas da Corte das Estrelas e jurou trabalhar no resgate de quaisquer habitantes ou aliados da Corte das Estrelas, mesmo que precise ir ou enviar suas forças até o Abismo.  Faerinaal adora a Rainha Morwel mais do que tudo e daria sua vida de bom grado pela segurança dela.

Quando seus seguidores e bruxos não estão em uma missão pela Corte das Estrelas ou em uma missão de proteção ou resgate de aliados da Corte, eles estõ buscando informações sobre itens mágicos, relíquias e artefatos, em especial os que possuem a forma de instrumentos musicais ou possuem alguma ligação com a música. Por isso, além de agentes que pareçam úteis em missões, ele também faz pacto com sábios e artistas.



Gwynharwyf

Gwynharwyf tem a aparência de uma elfa de baixa estatura, cabelos longos e branco-prateados e olhos verdes como o jade. Ela carrega consigo um par de cimitarras que briham o tempo todo, refletindo as cores do arco-iris. Gwynharwyf é a campeã da Rainha Morwel, sua consorte e uma guerreira de uma ferocidade inigualável. Ela tem como objetivos lutar contra o mal e contra as forças que possam ameaçar sua rainha.

Gwynharwyf escolhe entre seus seguidores aqueles que ter determinação, fúria e capacidade para cumprir seus dois objetivos. Estes bruxos se tornam seus campeões e ela nunca faz pactos sem deixar claro o que deseja em contrapartida.





Hyrsan

Hyrsan, o príncipe dos tolos ou o príncipe sátiro, é uma das fadas mais velhas de toda a existência. Ele é o filho mais velho do Senhor Verdejante e habita Faéria desde antes das criações das cortes. Ele as vezes faz o papel de bobo da corte entre os nobres de Agréstia das Fadas, mas nada tem de tolo, sendo inteligente e erudito, além de um mestre da manipulação.  Hyrsan tem apenas um objetivo: acabar com a política e intrigas entre as cortes e fazer com que Faéria volte a seu estado original. Para isso, ele planeja acabar com todas as cortes, incluindo as de seu próprio pai. A forma como pretende fazer isso? Ele inspira heróis, rebeldes, ajuda clandestinos e traidores e fomenta a discórdia.
Ainda assim, Hyrsan é tipo como um herói. Não só por seus passos de rebeldia não serem seguidos, como por ter lutado bravamente inúmeras vezes contra os fomorians que habitam Faéria e ameaçam as cortes e a vida das fadas.

Ele escolhe fazer pactos com aqueles que possuem ligação forte com Faéria, com a música ou com a arte de contar histórias. Ele não se importa com raça ou alinhamento. Ele também possui especial interesse naqueles onde o fogo da rebeldia poderia ser usado em seu objetivo de restaurar Faéria e sua condição original.



Koliada

Koliada, a Bruxa do Inverno, é a filha do Príncipe do Gelo, e a única coisa com a qual ele realmente se importa. Koliada é cruel e perversa, e seus interesses vão desde a Corte que deseja assumir em breve abertamente, A Corte da Noite Eterna, e dos jogos praticados por demônios e diabos. A espada que carrega foi forjada nas profundezas abissais.

Koliada vive entre as Cortes da Noite Eterna e do Inverno, onde mantém exércitos de lobos sombrios e lobos invernais, além de algumas outras criaturas gélidas mais poderosas. Ela deseja tornar os mundos primários em invernos eternos, onde possa espalhar suas pequenas criações. Ela tem escolhido bruxos e bruxas que possam lhe trazer presentes e conhecimento para que ela possa, enfim, alcançar seus objetivos de se tornar a nova Rainha do Inverno ao lado de seu pai, ser a governante da Corte da Noite Eterna de forma inquestionável e trazer o Inverno Eterno a todos os lugares que conseguir no Multiverso.

  




Morwel

Morwel é conhecida como  A Rainha dos Eladrins e governa a Corte das Estrelas. Nenhum ser, mortal ou imortal, é capaz de se lembrar da Corte das Estrelas antes de Morwel e ela abrigou os elfos exilados em Faéria em sua corte desde o primeiro instante. Morwel nunca deixa a sua Corte, e algumas fadas discutem se os poderes especiais de sua Corte deixariam de existir se ela o fizesse. Além da forma de uma elfa de beleza incomparável e exótica, vestindo um manto com estrelas que parecem retiradas do próprio céu, ela também assume a forma de um globo de luz brilhante.

Morwel normalmente faz pactos com elfos e eladrins, mas não somente. Suas escolhas às vezes podem cair sobre pessoas alegres, que gostam de festas, de música e das artes, mas o principal é que possam defender, ou serem usadas para tal, sua Corte, seus escolhidos, a arte, a diversão, a liberdade e o desejo.


Neifion

Neifion é o senhor dos morcegos. Normalmente é visto na forma de um homem calvo, pálido e magro, com olhos semicerrados e orelhas pontudas. Ele sempre veste roupas negras. Sua verdadeira forma, no entanto, é de uma criatura meio humana, meio morcego, com longas asas de couro e uma boca larga com enormes dentes.

Neifion é uma criatura muito antiga, que gostava de caminhar pelos mundos primários desde que eles começaram a existir. Neifion jurou fidelidade a Rainha do Ar e das Trevas, de quem foi um poderoso general. Neifion subjugou incontpaveis fadas e mortais, colocando-os sob os serviços de sua rainha. Uma das formas que utilizou por muito tempo foi criar cultos em seu nome, através de seus bruxos, drogando mortais até que eles se tornassem perfeitos escravos. Então ele levava seus novos servos para sua fortaleza em Faéria, de onde enviava, quando desejava, para sua rainha. Essa tática foi abandonada recentemente após uma rebelião que chegou até mesmo a aprisiona-lo. No momento, Neifion está em busca de novas ideias de como usar seus bruxos para fortalecer seu exército.





Oberon

Oberon é o senhor verdejante, também chamado de O Senhor das Bestas, Rei da Corte Selvagem e Consorte de Titânia, a Rainha da Corte do verão.  Oberon tem uma personalidade forte e incontrolável, com um humor que muda como a tempestade, e é dado a extremos. Ele é capaz de ver através das árvores e fontes de águas das Cortes Selvagem e do Verão, e alguns afirmam que também do restante de Faéria e dos mundos Primários. Oberon é extremamente apaixonado por Titânia, mas seu humor intempestivo faz com que, raramente, estejam de lados opostos em um conflito.

Apesar de ser um grande guerreiro, Oberon não usa apenas de conflito aberto para lutar suas batalhas. Alguns afirmam que a primeira “poção do amor” foi criada por Oberon, buscando cumprir algum propósito em terras mortais. Seja como for, Oberon não suporta a política feérica e costuma se manter afastado de todas as questões das cortes antes que seja necessária a intervenção da força. Oberon é atraído por pessoas com fortes paixões e desejos, e por aqueles que defendem a natureza selvagem. Normalmente são entre estas pessoas que ele escolhe um mortal com quem fazer seus pactos.


O Príncipe do Gelo

O Príncipe do Gelo, também chamado de Príncipe Pálido, é conhecido por ser o mais poderoso das fadas invernais e por ser majestoso e terrível. Desde a morte de sua amada Rainha do Inverno, sua corte é praticamente fechada para estrangeiros e ele não tem interesse outro senão a miséria de seus inimigos e rivais. O Príncipe, no entanto, é completamente fiel aos termos de qualquer acordo ou contrato, e ele prefere enganar antes aquele com quem faz um tratado do que não cumprir o mesmo. Ele quase nunca promete algo, mas ele sempre cumpre suas promessas.

Seus desejos atuais são causar sofrimento para a Corte do Verão, mas sem que isso traga um conflito aberto. Seu plano de trazer criaturas poderosas para lutarem ao seu lado, incluindo mesmo um primordial ou titã aprisionado, não estão descartados. No entanto, ele agora usa seus peões, aqueles bruxos com os quais faz pactos, para que atuem em seu interesse, ao invés de se colocar em risco.




Príncipe dos Corações

O Príncipe dos Corações é uma arquifada enigmática, sempre interessada nos relacionamentos amorosos, tanto das fadas quanto dos mortais. Sua Corte do Crepúsculo é um eterno pôs do sol, com uma belíssima lua surgindo do outro lado do horizonte. A aparência do Príncipe é sempre a da mais bela criatura que o coração do observador pode ver e desejar, e ele desperta interesses amorosos por onde passa. Curiosamente o Príncipe se enfeitiçou pela deusa élfica Sehanine Moonbow, e desde então tem feito o possível para auxiliar a deusa no que pode, na esperança de um dia conquistá-la.

Esta arquifada faz pactos em geral buscando bruxos que possam se envolver com políticas de Estado, em especial para atrapalhar casamentos armados e apoiar os relacionamentos baseados em amor e desejo. Ele também se interessa por aqueles que possuem amores impossíveis. Talvez um reflexo de seu próprio amor pela deusa élfica, ainda que ele dificilmente considere esse amor impossível ou irreal.

 

A Rainha do Ar e das Trevas

A Rainha do Ar e das Trevas é a irmã maligna de Titânia, rainha da Corte Unseelie, patrona da ilusão, da escuridão e dos assassinatos. Seu brasão é um diamante obscuro, que dizem ter sido o item original de sua corrupção e danação, um presente trazido por anões de forma inocente e que culminou com a divisão de Faéria como existe nos dias de hoje. No passado ela era uma princesa da Corte Seelie, A Corte do Verão, e habitava o reino de Ladinion, em Faéria, antes da existência das cortes, das intrigas, da política. Sua corrupção a encheu de ódio e hoje seu principal objetivo e destruir A Corte do Verão e tudo que ela representa.

Em seu trono no Pandemônio ela recebe os destituídos, os exilados, os desesperados e os loucos, além de fadas malignas, megeras, alguns ínferos e todo tipo de ser que ela possa achar útil para seu exército das trevas. E este é o perfil dos mortais com quem ela faz pactos, buscando usar sua fraqueza e desespero para a construção de sua própria vingança, afinal, ela tem a eternidade inteira a seu dispor.


Titânia

Titânia é a Rainha da Corte da Luz, a Corte do Verão.Seu brasão é um diamante branco com uma estrela reluzente no centro. Titânia é uma fada de uma beleza perfeita, medindo pouco mais do que 1,20 metros de altura com asas translúcidas e carregando uma varinha feita de diamantes. Titânia governa a Corte Seelie juntamente com seu consorte Oberon e seus filhos Damh e Verenestra. Ela tem boas relações com a megera Cegilune. Há rumores de que elas seriam, de alguma forma, irmãs. Titânia é considerada a mais paciente e serena das arquifadas.

Titânia tem como objetivo proteger Faéria e todas as fadas, inclusive as malignas (que ela acredita que possam ser curadas e trazidas para a luz), manter a sociedade das fadas, combater os planos malignos de sua irmã, a Rainha do Ar e das Trevas e preservar a linhagem das fadas. Dessa forma, muitos de seus agentes carregam sangue feérico em suas veias.



Verenestra

Verenestra é a filha de Oberon e Titânia e protetora das dríades, ninfas e sílfides. Uma arquifada extremamente vaidosa e bela, Verenestra é muito sábia e leal a Corte do Verão, apesar de seu comportamento inconstante com relação as demais coisas. Sua morada na Corte Seelie é repleta de espelhos para que ela possa se admirar, usando muitas jóias com pedras preciosas e prata.

Verenestra escolhe quase sempre seguidoras ao invés de seguidores, raramente fazendo pactos com mortais do gênero masculino. Porém, quando o faz, escolhe o mortal mais belo e carismático, a quem prometerá muio e dará pouco, brincando com seus sentimentos. Ela pouco exige de seus bruxos e bruxas, desde que a admirem e adorem, e não a "traia" com outras deusas, em especial deusas do amor e da beleza.





É O FIM?


Há muito mais arquifadas em Faéria que não forma listadas. E podem haver muitas mais que você tenha vontade de criar. Essas arquifadas, bem como a história de Faéria e do Multiverso, fora tiradas de diversas fontes: livros do AD&D como Monster Mythology, Livros de alguns cenários como Mystara, Forgotten Realms ou Planescape; livros de D&D 3ª edição; Livros de D&D 4ª edição; Livros de D&D 5ª edição; colunas publicadas no site da Wizards; Livros de literatura e, por fim, relatos de campanhas publicadas na internet.

Esperamos que esse texto tenha ajudado na sua criação da Faéria de seu Multiverso, bem como a inspirar jogadores e mestres a desenvolver os Pactos entre entidades e bruxos, como explicado no Livro do Jogador e no Xanathar’s Guide to Everything.

Todas as imagens que acompanham esse texto são da artista Rebecca Guay

Bons jogos!

Postar um comentário

2 Comentários

Elaine Estelita disse…
Olá! Tem mais uma arquifada que pode ser adicionado à campanha: The Lady of the White Well (Dragon Magazine 393) =)
Elaine, olha que eu deixei de incluir pelo menos umas 10 nessa lista. O que é interessante, pois mostra que a quantidade é bem maior e você pode usar como quiser.