BESTIÁRIO BRASILEIRO

UM SUPLEMENTO DE CRIATURAS PARA D&D 5E


SOBRE O BESTIÁRIO

Antes de entrar em recesso, resolvi disponibilizar um projeto pessoal, que ainda está em fase beta e certamente precisando de uma ou outra revisão. Minha interpretação do bestiário brasileiro.

Abaporu - Tarsila do Amaral
A mitologia brasileira é riquíssima, porém pouquíssimo explorada e bastante desvalorizada por nós, principalmente porque ela não saiu do "rascunho inicial" das lendas. As lendas germânicas, saxônicas, gregas, chinesas, japonesas e diversas outras sofreram inúmeras adaptações, metamorfoses, divisões e junções, até chegarem ao ponto mais "amadurecido" que existe hoje. As lendas de nosso folclore, por outro lado, foram pouco trabalhadas. Nossa religiosidade que afasta o paganismo, nossa literatura que raramente se presta ao sobrenatural, nosso cinema que balança, nossos quadrinhos com dificuldades financeiras... Até a era da internet são poucas as grandes obras fantásticas nacionais a tratar de nosso folclore, trabalhando em cima dele. Nos resta as versões cruas ou as versões infantilizadas. E, por isso, muitas vezes os jogadores de RPG tem até certa aversão ao tema.

Tentei, de forma ainda humilde, retrabalhar um pouco tais lendas, adaptando-as à ambientação clássica de D&D. O trabalho, para uma versão final moderna e de qualidade, precisaria de revisão, arte e uma dedicação que neste momento não disponho, pois o autor precisa comer.

Assim, deixo disponível gratuitamente meu bestiário, na esperança de que ele sirva de base para as aventuras de D&D com novas criaturas e um carater um pouco mais tropical.

Espero que seja de alguma ajuda.

Bons jogos!


P.S. : Apesar dos textos em português, as fichas estão em inglês pois quando rascunhei pela primeira vez as fichas dessas criaturas ainda não havia tradução sequer das regras básicas, muito menos do SRD. 

Havendo interesse eu posso traduzir as estatísticas para o Português Brasileiro, em especial se já tivermos a versão traduzida do jogo pela Galápagos.

Postar um comentário

0 Comentários